30 outubro 2012



"Porque eu sou do tamanho daquilo que sinto, que vejo e faço, não do tamanho que as pessoas enxergam."

Carlos Drummond de Andrade

"É a solidão que inspira os poetas, cria os artistas e anima os gênios."
 Henri Lacordaire
"É preciso que eu suporte duas ou três lagartas se quiser conhecer as borboletas." O pequeno príncipe

17 outubro 2012

Mudar é preciso, viver é para agora!


Mudanças são necessárias, as vezes mudamos atitudes, pensamentos, sonhos, mudamos de ares...
Nos afastamos de algumas pessoas, nos aproximamos de outras, e nem sempre somos compreendidos. 
Mas a vida é composta por mudanças, hora rindo, hora chorando, hora chegando, hora partindo...
Encontros e desencontros, acertos e desacertos, nessa vida ninguém é perfeito.
A ninguém cabe julgar a intenção por trás de cada mudança, tendo em vista que homem algum jamais conseguiu sondar o coração do próximo.
Independentemente das circunstâncias, mudar é preciso e viver é para agora!


Alma de menina, coração de poeta




A vida é composta por momentos dos quais alguns devem ser extintos da memória, já outros que devem ser preservados pela eternidade. Momentos de imensa felicidade outrora de profunda tristeza, mas tirar algum proveito de cada um deles, para tornar cada dia de vida peculiar e especial.


Alma de menina, coração de poeta
Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir. Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz.
Drummond de Andrade

É impossível mudar o passado, o que não se fez de nada adianta lamentar, o que fez errado o caminho é o arrependimento. Olhar adiante, tendo a certeza de que a cada manhã se tem a chance de escrever uma nova história. O hoje é tudo que temos.

Alma de menina, coração de poeta

16 outubro 2012

Shakespeare


Alícia no bosque das sombras



“Muitos dias se passaram aqui, e eu, na maioria das vezes, sou alguém confiante e determinada. Mas hoje o dia está nublado, escuro e sombrio pra mim, e não digo que seja pelo lugar onde estou, mas sim pela forma como me sinto.
         Há muito tempo não me sentia assim, tão incapaz, tomada por uma angústia tão profunda.  Olho pra mim e não consigo ver nada de útil para poder ajudar este povo, pois estes acreditam que posso salva-los.
Estou a entregar os pontos, não tenho mais forças, as adversidades estão ficando  cada vez maiores. Tudo conspira contra mim. E eu que nunca me importei de estar ou fazer algo sozinha, hoje me encontro em um estado deplorável. Sinto a necessidade de ter alguém, qualquer ser vivo, para estar ao meu lado ao menos para dizer que tudo dará certo. Mas não há ninguém, somente eu, o vazio me consome.
 Nunca detestei tanto a ideia de estar sozinha, achei que eu fosse capaz, entretanto percebo o quanto sou fraca e frágil, consequência disso é este sentimento que corre pelas minhas veias, como uma espécie de veneno, uma raiva descabida por me sentir dependente de alguém ou algo. Parece ironia do destino, eu sempre fui tão independente e segura, agora estou a lamentar a solidão.
Parece clichê essa coisa de ter de tirar uma lição de tudo àquilo que vivemos, mas talvez isso só esteja acontecendo para me mostrar que mesmo com todo o sofrimento vivido, como minha estadia naquela mansão com Mary, sendo tratada diariamente como um nada, humilhada pelos colegas da escola, sem amor e carinho, tenha me tornado alguém muito egoísta e egocêntrica.
Embora confesso que achasse que as circunstancias pelas quais fui criada, teriam me tornado uma pessoa melhor e digna de admiração, e talvez esse tenha sido o meu maior erro, alias um grande equívoco. Eu me achei!
E essa sensação me invade a alma, de olhar pra dentro de mim e não saber quem realmente sou. E agora? O que eu faço com tudo isso que esta a me corroer por dentro? 
Afinal fui trazida a este lugar com o propósito de libertar esse povo que outrora nem sabia que pudesse existir.  Lutar contra inimigos dos quais nem posso ver. Isso tudo parece loucura, antes não, mas agora soa como sendo bizarro, surreal. A princípio era tudo fantástico, mágico, as criaturas, o reino de Sólis, a ideia de ser a princesa perdida que retorna á sua terra para salvar o “mundo”, e blá, blá, blá. Parecia um conto de fadas, como os que eu gostava de ler.
Mas agora tudo mudou. Como poderei salva-los se não estou conseguindo salvar a mim mesma do que sinto? Deparando-me com alguém que pensava que eu fosse e na verdade não sou.
Não sou digna da coroa de meu pai e nem desse reino tão nobre, pois acabo de descobrir que os sentimentos existentes em mim não são nobres como eu achava que fossem. Já não me reconheço mais, e isso faz com que eu me sinta a pior pessoa sobre face da terra.
No entanto, só me resta seguir em frente, já que retroceder neste caso não é uma opção. Vou seguindo sem saber o que espera por mim daqui em diante, Por isso lanço ao vento essas palavras de profunda consternação.”
O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40.

Parte do Capítulo 3



Olhe para o céu, veja, é possível ver algumas estrelas brilhando. Disse Alícia.      
            −Tem muita neblina no céu, só vejo a lua. Como é possível estar conseguindo ver as estrelas? Perguntou Darry.
 Ela respondeu sorrindo: “olhe bem, veja quantos pontos de luz cintilantes estão a brilhar. E a lua, ah! Essa me encanta. Nada pode ser mais lindo do que uma noite fria de lua cheia. O céu nublado me cala e me inspira na mesma proporção.”
Ficaram alguns minutos em silêncio, olhando para o céu, quando Alícia se dá conta de que Darry a olha fixamente, parece que tentando decifrá-la.
         − O que foi? Por que está me olhando assim? Indagou a menina.
         − É que agora posso ver as estrelas, doce princesa. Respondeu Darry.
         − É mesmo? Mostre-me as constelações que está vendo então. Disse Alícia.
         − As vejo bem aqui, dentro dos seus olhos. Respondeu Darry, apontando para o rosto de Alícia.
A menina ficou corada, desviou o olhar, e sorriu constrangida, continuaram ali, em silêncio, quase  durante uma hora e nenhuma palavra fora mencionada naqueles instantes. A única coisa que sabiam, era que algo havia mudado dentro deles naquele momento, um sentimento estranho e ao mesmo tempo lindo, embora nenhum deles estivesse entedendo o que realmente se passava dentro de seus corações.
Alma de menina, coração de poeta
O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40.

Memórias de um reino - Trecho cap 2


Assim como todo ser humano, Alícia também tinha seu refúgio. Os livros sempre fizeram parte de sua vida, desde a infância, pois ali encontrava um mundo só seu, mergulhando em cada página. Tudo o que ela queria era poder ser como um dos personagens dos livros que lia, pensava que essa poderia ser única chance de ter um final feliz.
Alma de Menina, coração de poeta
O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40.

11 outubro 2012

...escrever é sentir e sentir é viver!


Escrever é um dom, uma arte
Esboçar sentimentos, convicções, pontos de vista, enfim...
Talvez na dificuldade de expressar-se verbalmente a escrita torna-se fiel aliada
Onde a imaginação cria asas, desprendendo-se da gaiola da hipocrisia ou ceticismo
Viva a liberdade de expressão!
Pensamentos descritos no velho diário, computador ou num pequeno bloco de papel
Escrever é sentir e sentir é viver!

Alma de menina, coração de poeta





04 outubro 2012



Eu sonho com um mundo melhor e também em ser melhor...
Porque sem sonhos a vida se torna vazia, frívola e os dias cinzentos.
Sonho porque tenho esperança e acredito em dias melhores.
Os sonhos são capazes de abrir as janelas da alma, da imaginação.
Melhor do que imaginar é acreditar que é possível realizar!
Sonhe, viva!

Alma de menina, coração de poeta

Imagens que não precisam de legenda :)


03 outubro 2012

É preciso fazer valer a pena


Ninguém gosta de perder tempo pensando sobre a morte, afinal estamos muito ocupados para nos preocupar com algo que aparentemente está longe de acontecer. O fato é que vivemos como se fossemos viver para sempre, a ideia encanta, mas não passa de mera ilusão.
Certa feita li uma frase de James Dean que dizia: "Sonhe como se fosse viver para sempre e viva como se fosse morrer amanhã."
Até então não havia tido nenhuma interpretação a respeito da frase, até que há alguns dias pude entende-la.
"Sonhe como se fosse viver para sempre"; quer dizer que não se deve limitar a sonhar pelo  motivo não conhecer o amanhã, devemos sonhar como nunca, fazer planos e lutar para concretiza-los.
"Viva como se fosse morrer amanhã"; significa que devemos amar, amar e amar, fazer o bem, não guardar rancor, perdoar quantas vezes necessário for, estar de bem com a vida e com o próximo, pois não se sabe o que nos reserva o amanhã. Hora vencemos, hora perdemos.
O que estou tentando dizer, é que não quero passar por esta Terra apenas por passar. Quero fazer uma história, marcar toda uma geração.
Assim como os grandes homens da galeria da fé, que mudaram sua sorte e de outras pessoas e são lembrados até os dias de hoje, como também os grandes filósofos, pensadores, mártires que tinham uma ideologia e lutaram pelo que acreditavam até o fim de suas vidas, e com sua luta deixaram sua marca no mundo.
Enfim, se morrêssemos hoje, como seriamos lembrados? O que fizemos? 
A vida passa muito depressa, hoje estamos com 16 anos e sem nos dar conta já caminhamos para os 30. 
Durante todos esses anos o que marcou minha trajetória até aqui?
Viver por viver não faz sentido, é preciso fazer valer a pena, e é o quero daqui pra frente, e você?


 O texto foi escrito por mim e é proibido seu uso ou cópia integral, ou de fragmentos, sem a autorização da autora. O mesmo vale para todo e qualquer conteúdo deste blog que seja de minha autoria. Sua cópia ou uso sem autorização é qualificado como plágio, sendo configurado como crime previsto no Código Penal. O infrator está sujeito as punições previstas no Art. 184 do Código Penal - Decreto Lei 2848/40.
Alma de menina, coração de poeta



Layout: Natana Duarte | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©