03 fevereiro 2014


Quando tá escuro e ninguém te ouve
Quando chega a noite e você pode chorar
Há uma luz no túnel dos desesperados
Há um cais de porto pra quem precisa chegar...
...E são tantas marcas que fazem parte
Do que sou agora, mas ainda sei me virar

Nunca deixe que digam que não vale a pena acreditar no sonho que se tem.
Ou que seus planos nunca vão dar certo
Ou que você nunca vai ser alguém
Tem gente que machuca os outros
Tem gente que não sabe amar
Mas eu sei que um dia a gente aprende

Não faz sentido


Queremos ser diferentes mas nos deixamos vencer aos padrões impostos pela sociedade.
Reclamamos o direito de liberdade mas vivemos fazendo pontes que nos levam e nos prendem ao passado.
Fazemos o seguinte discurso: Seja você mesmo, mas no fundo queremos ser iguais a outras pessoas bem sucedidas.
Reclamamos de falsidade mas falamos de alguém que não está presente.
Dizemos que estamos inconformados com o "andamento" do país mas temos preguiça de acordar e cedo e reclamamos da segunda-feira.
A conclusão de tudo é que vivemos em um mundo onde todos exigem coerência mas não querem ser coesos. Dizemos que lutamos contra a mentira mas não queremos um compromisso com a verdade.


Alma de menina, coração de poeta

Layout: Natana Duarte | Tecnologia do Blogger | All Rights Reserved ©